Estudando Gestão de Projetos em Stanford

Há alguns anos, eu seriamente considerava fazer um curso MBA no exterior. Mais recentemente, eu passei considerar outras opções no país. Apesar de eu não estar cursando um MBA no momento, eu recentemente optei por um curso que há tempos me atraia: Gestão Avançada de Projetos pela Universidade de Stanford.

O que é:

Trata-se de uma certificação data pela universidade aos alunos que cursam no mínimo 6 das inúmeras matérias relacionadas a gestão de projetos oferecidas pela universidade. Três matérias são obrigatórias e as demais eletivas. A principal vantagem é que o curso pode ser feito on-line ou na própria universidade.

O propósito do curso é oferecer ao aluno conhecimento completar a disciplinas tradicionais de gestão de projetos (gestão do tempo, recursos e escopo). O curso vai fundo em matérias como estratégia, liderança, design thinking, cultura, mudanças, etc.

Com um bom planeamento e optando pelo curso online, o custo do curso sai bem em conta e o valor por matéria pode ser diluído a longo dos meses. Cada matéria fica disponível para o aluno durante o período de 90 dias.

Estou gostando da experiencia e engana-se quem pensa que aulas online não são uma boa opção. Através deste formato, consigo parar e assistir novamente a aula quantas vezes eu quiser. Em caso de duvida, eu tenho acesso via e-mail aos professores durante o período do curso. Além disso, há bastante leituras complementares.

Para quem quiser saber mais:

Matéria Época (Jan/2012) – Conteúdo com Grife
Folder do Curso – Stanford Advanced Project Management

"Empresas sabem resolver problemas, mas muitas vezes não sabem quais são os problemas", Tom Kelly, IDEO

Encontrei este vídeo navegando na internet. É o resumo, em 8 minutos, de uma palestra do Tom Kelly, fundador da IDEO, no Creativity World Forum 2008.
Tom apresenta o conceito por trás das práticas de inovação da sua empresa. Segundo ele a inovação nasce de um olhar astrológico do mercado. Através desta prática, identifica-se os problemas e as oportunidades. Uma vez definida o desafio, cabe a empresa, com sua capacidade de resolver problemas, projetar a melhor experiência possível para público alvo.
Se a empresa souber manter este ciclo e incentivar a prática da observação em seus colaboradores, com certeza ela estará nutrindo uma cultura mais inovadora.
Para ajudar a explicar a postura necessária nos dias de hoje, Tom Kelly fala muito em suas palestras sobre “vujade”, o que ,segundo ele, seria o contrário da expressão “dejavu” (a impressão que temos ao já ter visto algo antes). Ou seja, encarar as coisas que você já conhece de uma maneira nova, como se você a estivesse vendo pela primeira vez.