Confie neles que eles confiarão em você

Neste curto vídeo de 3 minutos, Guy Kawasaki, autor e empreendedor americano, fala um pouco sobre como algumas empresas conquistam a confiança dos consumidores confiando inicialmente neles.
“Trust people and then they will trust in you”

Ele cita como exemplos as empresas americanas como a Amazon e a Zappos. Tais empresas confiam em seus consumidores. No caso da Amazon, eu posso citar uma experiência pessoal de quando, ao realizar uma compra, o produto não chegou na data acordada. Questionei a empresa e eles enviaram uma segunda remeça sem alardes e problemas. Este fato faz-me não considerar outra empresa quando compro algo on-line no exterior. Eu sei que posso confiar neles caso eu tenha problemas na entrega.

A Zappos confia em seus consumidores que compram sapatos online dando o direito de retornar o produto pagando as despesas de envio.
Isto me faz pensar que muitas vezes, as empresas/ organizações/ pessoas “castigam” alguns por causa dos erros de poucos. Esta máxima: “Confie primeiro nas pessoas, que elas confiarão em você” pode ser aplicadas em várias esferas da nossa vida. Quem aguentaria estar ao lado de uma pessoa ciumenta o tempo todo. Ou um chefe que controla os seus passos e em alguns casos, refaz o seu trabalho. Há inúmeros exemplos.
Enquanto escrevo, lembrei-me de um artigo da Época Negócios, onde em várias páginas era explicado o por quê que o Brasil era tão ruim em inovação. A resposta, como já devem imaginar, é a falta de confiança entre as pessoas.

No mesmo vídeo, Guy comenta que a dois tipos de pessoas:
  • Aqueles preocupados com o maior pedaço da torta (GANHA X PERDE);
  • Aqueles que enxergam que o mundo é uma oportunidade para fazer, vender tortas (GANHA X GANHA).

Em que perfil você se encaixaria?
Em um país como o nosso, você acredita que uma alta dose de confiança nos negócios faz mal? E a nível pessoal? Você conhece mais exemplos de empresas que tem uma alta dose de confiança em seus consumidores e funcionários? Até onde ter o controle é benéfico para a organização? A falta de controle traria mais beneficio ou mais problemas?

Dicas de livros e empreendedorismo no Man in the Arena

logo do man in the arena

A principal vantagem dos videoscasts são o fato de você assistir ao que você gosta, quando e onde quiser. Na maior parte das vezes, trata-se de um conteúdo tão segmentado que raramente encontraria espaço na programação da TV. Assistir ou ouvir videocast é uma experiencia interessaste que pode ser feita em frente ao computador enquanto se realiza uma atividade ou, mais recentemente, em frente ao aparelho de TV, com o advento dos aparelhos com acesso a internet.

Há aproximadamente um ano venho acompanhando o podcast criado por dois empreendedores, Leo Kuba e Miguel da Rocha Cavalcanti. O Man in the Arena, como foi batizado a inciativa destes rapazes, trata de tema como empreendedorismo, livros e cultura digital. Entre vida a pessoal e a profissional, os dois encontraram uma janela em suas agendas para tocar o projeto. O mais difícil, julgo eu, é o fato da dupla conseguir manter a periodicidade, o que para mim, já é louvável. Apesar de não conhecê-los pessoalmente, dupla é muito acessível através das mídias sociais, o que de certa forma, ajuda criar um público cativo. Aí eu me incluo nesta. O MIA já está no número #14, mas eu recomendaria assisti-lo desde o episódio inicial. Se após o primeiro programa, você sentir vontade de ver o seguinte, com certeza você fará parte da audiência do MIA.

Vá em frente.

Em poucas palavras, eu definiria este videocast como aquelas conversas de corredor de faculdade sobre temas interessante e que muitas vezes, não se tem tempo de fazê-las no universo corporativo.

Acompanhe o Man in the Arena no Facebook ;

Assita ao Man in the Arena no YouTube

OS 14 MANDAMENTOS de David Neeleman

David Neeleman

David Neeleman

Os ensinamentos de David Neeleman para montar um negócio de sucesso*

1  – SIGA SUA PAIXÃO
Vá atrás de algo que desperte seu interesse genuíno.

2  – PENSE “FORA DA CAIXA”
Seja sempre criativo e nunca tenha receio de falhar.

3  – APRENDA
Trabalhe com os melhores profissionais e absorva seus métodos.

4  – ESTEJA PRONTO PARA MUDAR
Flexibilidade e disposição para mudanças são essenciais para alcançar o sucesso.

5  – CONSTRUA A MELHOR RATOEIRA PARA OS RIVAIS
No caso da JetBlue, ela consiste em tarifas baixas e serviço diferenciado.

6  – NÃO TENHA MEDO DOS COMPETIDORES
Estude a fundo os pontos fracos dos rivais.

7  – ESTEJA BEM CAPITALIZADO
Sem um caixa forrado, nenhum negócio, por melhor que seja, sobrevive à primeira turbulência.
 
8  – PRESTE ATENÇÃO AOS DETALHES
São eles que seduzem os consumidores.

9  – CUIDE BEM DE SEU PESSOAL
Funcionário feliz trata bem o cliente.

10  – RESPEITE OS CLIENTES
Ofereça sempre o melhor serviço e crie uma relação de lealdade com ele.

11  – CONTROLE CUSTOS
Eficiência operacional é o segredo do negócio.

12  – TECNOLOGIA, TECNOLOGIA, TECNOLOGIA
Automatize tudo.

13  – APAREÇA SEMPRE
Faça palestras, dê entrevistas, apresente-se. Essa exposição rende milhões de dólares em publicidade grátis.

14  – SEJA AUTÊNTICO
Transfira para a empresa seus valores pessoais.

*Fonte_Flying High – Como David Neeleman enfrenta a concorrência, de James Wynbrandt

Saiba mais em Época Negócios

Ricardo Neves fala sobre o caminho da inovação para Época Negócios

Segue a entrevista que o consultor Ricardo Neves deu para revista Época Negócios. O especialista em inovação aborda vários assuntos, dentre eles o conflito de gerações nas empresas de hoje, o papel do Brasil hoje no mundo e a ascendência da classe C no país.

Ele afirma que as empresa contam hoje com três gerações em seus quadros de funcionários: os cansados, os estressados e os “gamers”. Estes últimos são indivíduos multitarefas que assim como num jogo, se não percebem um incentivo para avançar, acabam declarando “game over” e deixam a empresa.
O Brasil, segundo Ricardo, esta cada vez mais apto para grandes feitos como nação e está deixando de lado o complexo de inferioridade.
Já a classe C, que recentemente se concentrou na aquisição de bens de consumo, agora, na próxima década, estarão mais exigentes e exigirão cada vez mais serviços públicos de qualidade.

Entrevista Ricardo Neves para Revista Época Negócios

Blog Ricardo Neves

Fly Banner, moscas fazem propaganda em feira


Estes dias, ao fazer compras em um supermercado, fiquei surpreso ao escutar o barulho de um mosquito no corredor. Quando eu percebi, tratava-se de uma ação publicitária para vender inseticidas. Não havia mosquito no local, era apenas o som para lembrá-lo como incomoda estes insetos. Como publicitário, a ação chamou minha atenção pela criatividade.
Porém esta ação não se compara com a ousadia dos alemães para promover um livro. Durante a Feira do Livro em Frankfurt, a editora Eichborn colocou pequenos anúncios em 200 moscas. Devido ao peso dos anúncios, as moscas pousavam com mais freqüência e em muitas vezes, “descansavam” nos freqüentadores da feira.
Não sei quais são as principais agências alemãs, mas sempre que vejo algo mais ousado na publicidade européia, vejo o nome da Jung Von Matt. Desta vez não poderia ser diferente. Eles foram os responsáveis pela ação publicitária.
Parabéns para agência, parabéns para a editora. Ambos foram ousados.

Fonte: Revista Época Negócios